Total de visualizações de página

19 de out. de 2021

BRASIL 2021: ALIMENTAÇÃO DURANTE A PANDEMIA DA COVID-19

 

Trecho reproduzido de GLOBORURAL:

Além da fome, consequência da insegurança alimentar grave que atingiu 19 milhões de brasileiros no último ano, a crise econômica agravada pela pandemia de Covid-19 também tem impactado a qualidade da alimentação de uma parcela da população que viu a sua renda diminuir em meio ao aumento expressivo no preço dos alimentos básicos. “Quando a gente olha os índices de preços, a carne de frango, a carne congelada, o pescado, o ovo, essas fontes de proteínas primárias subiram muito de preço. Já para os ultraprocessados, como nuggets e hambúrguer, essa a variação de preços foi bem menor”, destaca o coordenador do Índice de Preços ao Consumidor calculado pela FGV-IBRE, André Braz.  

Observações do livro do:

Dr. David Servan-Schreiber: “Anticâncer: prevenir e vencer usando nossas defesas naturais” (2009). 2ª. Ed. Rio de Janeiro, Fontanar/Edit. Objetiva, 312p.

Meio ambiente e adaptações. O autor faz a seguinte observação (p. 85): “Nossos genes se constituíram há muitas centenas de milhares de anos, na época em que éramos caçadores e colhedores. Eles se adaptaram ao meio ambiente de nossos ancestrais, e especialmente às suas fontes de alimentos. Só que nossos genes evoluíram muito pouco. Hoje, como ontem, nossa fisiologia espera uma alimentação semelhante à que tínhamos quando comíamos os produtos da caça e da colheita: muitos legumes e frutas, de tempos em tempos algumas carnes ou ovos de animais selvagens, um equilíbrio perfeito entre os ácidos graxos essenciais (ômega-6 e ômega-3) e muito pouco açúcar e farinha nenhuma (a única fonte de açúcar refinado para os nossos ancestrais era o mel, sendo que eles não consumiam cereais)”.
O primeiro ser humano, a revolução agrícola e os novos alimentos. Algo “muito importante” é apontado como de consequências imprevisíveis, pelo autor: hoje, 56 por cento de nossas calorias provêm de três fontes que NÃO EXISTIAM quando nossos genes se desenvolveram: açúcares refinados (cana-de-açúcar, beterraba, xarope de milho, de frutose etc.), farinhas brancas (de trigo principalmente) e óleos vegetais (soja, girassol, milho e agora a já famigerada gordura trans). Todos de aparecimento muito recente [Nota: presume-se que a revolução agrícola tenha ocorrido há uns 10 mil anos; e um dos primeiros seres humanos, o Homo ergaster (erectus) já existia há cerca de 1 milhão de anos; ver Richard Dawkins, “A grande história da evolução”, 2009, São Paulo, Cia. das Letras, 759p. Preço: R$67,00].

Os brasileiros estão consumindo mais alimentos ultraprocessados durante a pandemia. Conforme estudo realizado pelo Datafolha, sob encomenda do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, o consumo de ultraprocessados na faixa-etária dos 45 a 55 anos saltou de 9% em 2019 para 16% durante a pandemia, neste ano. Já o estudo NutriNet Brasil aponta que o consumo desse tipo de alimento aumentou nas regiões Norte e Nordeste e no estrato de menor escolaridade da pesquisa. O consumo de alimentos ultraprocessados entre a faixa etária dos 45 a 55 anos é preocupante, porque é justamente nessas idades que há prevalência de sobrepeso e obesidade, que podem propiciar o surgimento de doenças crônicas e influenciar o grau de manifestação da covid-19 em caso de infecção, informa Renata Bertazzi Levy, do Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da USP e integrante do estudo NutriNet Brasil.

17 de out. de 2021

REFLORESTAMENTO EM USINA DE CANA-DE-AÇÚCAR

 Esse projeto, iniciado há 20 anos, fez-me lembrar de proposta semelhante que fiz a usineiro da Paraíba, para recuperar solos que a usina tinha abandonado por serem improdutivos. Eram 5 mil hectares onde a produtividade mal alcançava 40 mil toneladas /hectare (metade das mínimas desejadas 80 mil toneladas/ha).

Propus minha ideia, com co-participação do governo federal, há 30 anos! A resposta do usineiro à minha proposta foi: “não estou interessado; nossa vocação é plantar cana”!

Na época, algumas usinas no estado de São Paulo, já estavam plantando leguminosas (como guandu ou andu) e já tinham recuperados extensas áreas de solos degradados. Nesse sentido, há uma muito útil, embora antiga, publicação da EMBRAPA: https://www.embrapa.br/busca-de-publicacoes/-/publicacao/624313/recuperacao-de-solos-degradados-com-leguminosas-noduladas-e-micorrizadas

Destaques da reportagem, aqui divulgada, em https://g1.globo.com/economia/agronegocios/globo-rural/noticia/2021/10/17/usina-de-cana-de-acucar-restaura-mata-nativa-e-consegue-renda-com-a-preservacao.ghtml



Na foto acima é importante destacar que essa pequena área reflorestada, tenha continuidade ligando-se ao reflorestamento efetuado nas margens do curso d’água que se vê mais adiante; formando o conhecido corredor ecológico.




10 de out. de 2021

SERVIÇOS AMBIENTAIS: PROJETO “CONSERVADOR DAS ÁGUAS” 15 ANOS APÓS SUA CRIAÇÃO EM EXTREMA, MG

 SERVIÇOS AMBIENTAIS

Atividades ou funções executadas pela Natureza e que têm sido vistas como de benefícios imprescindíveis à vida e que podem ser submetidas a avaliações econômicas. Como sejam: o ar que todos respiram, a regulação hídrica (o ciclo da água), o ciclo de nutrientes, produção de alimentos, recursos genéticos (e recursos naturais em geral), regulação da temperatura atmosférica e das águas, absorção e degradação natural de poluentes gerados pela humanidade etc. Este é um dos importantes aspectos tratados em economia ambiental ou da Natureza.





Entre lamentar a falta de chuva na região sudeste do Brasil e agir para evitar o contínuo sofrimento com a escassez de água, esta é uma das soluções:

https://g1.globo.com/economia/agronegocios/globo-rural/noticia/2021/10/10/em-meio-a-crise-hidrica-agricultores-ganham-dinheiro-produzindo-agua.ghtml