Total de visualizações de página

28 de fev de 2010

HABITAÇÃO EM CONTÊINERES

Surge discussão sobre a situação no Haiti de como resolver o problema de moradia das vítimas do terremoto de 12/01/2010 e outros menores subseqüentes. Segundo artigo publicado no “Science Daily” (EUA) o Professor Doug Hecker propõe que os desabrigados sejam alojados em contêineres (ou “containers”). Embora soluções desse tipo, conhecidas como “top down solutions”, ou seja, planejadas sem a participação daqueles que “sofrem na pele” as conseqüências, não sejam aconselháveis, há relatos de profissionais da arquitetura de que tais construções funcionam, conforme foram testadas durante quatro anos pelos próprios idealizadores, após o furacão Katrina, na Louisiana (EUA).
O ser humano urbano, acostumado a ter tudo à mão, alimento, água, materiais diversos de que usufrui, vindo de lugares que muitos desconhecem "onde", nem "como" foram obtidos... passa a vida mergulhado nos seus afazeres e... de repente... vem uma catástrofe ou cataclismo provocados pela Natureza e, se escapou vivo... não tem a mínima idéia de como resolver o problema, por vezes destruidor e gerador de situação caótica. Parte então para soluções paliativas. Somente quando acontecem tais impactos extremos é que volta a pensar em soluções. O sistema preventivo em todas as áreas de atividade humana, quando funciona, é precário. Há muito tempo que moradias do tipo em contêineres deveriam ter sido testadas. As construções de uso coletivo, prédios públicos, deveriam ser todas à prova de abalos sísmicos. Em qualquer lugar do mundo há miseráveis sem-teto que com certeza topariam usufruir de um tal contêiner para testá-lo, acompanhados de perto pelos seus idealizadores. Desumano? E deixá-los à míngua, no calor do sol ou no frio e na chuva... é humano? Será que "plástico" funcionaria? E se combinado a material natural existente no local, como bambu? Será duradouro e permanente? E o que é permanente nas regiões suscetíveis a movimentos tectônicos? Estarei dizendo isso tudo só porque eu moro em lugar seguro? Seguro porque segundo a ciência, não moro em "área de risco" e minha habitação ainda não foi testada por um cataclismo! Depois do tsunami de 2004 no sudeste da Ásia (principalmente Indonésia) que matou 220 mil pessoas, o terremoto de 2008 na China que matou 70 mil... este agora com mais de 200 mil mortos e outros que virão... não servem como lição??? Imagine se fôssemos falar sobre os nossos deslizamentos e vítimas de soterramento!!!
...E a propósito de DESASTRE, CATÁSTROFE... ver a próxima postagem neste blog.