Total de visualizações de página

23 de ago de 2007

VIRUS MARBURG TRANSMITIDO POR MORCÊGOS, NA ÁFRICA

SCIENTIFIC AMERICAN – 22 de agosto de 2007
WASHINGTON (Reuters) [BILINGÜE]
(INGLÊS) Fruit bats that roost in caves are apparently the source of Marburg virus, which causes a deadly hemorrhagic fever related to Ebola virus.
(PORTUGUÊS) Morcêgos frugívoros que se abrigam em cavernas são claras fontes do virus Marburg, que causa febre hemorrágica mortal, aparentado do virus Ebola.
(INGL.) Tests of 1,100 bats of various species turned up the virus in only one common species of fruit bats, Rousettus aegyptiacus, the team at the U.S. Centers for Disease Control and Prevention, at the Medical Research Institute in Franceville, Gabon, and elsewhere reported. "These Marburg virus-positive bats represent the first naturally infected non-primate animals identified," they wrote.
(PORT.) Testes com 1.100 morcêgos de várias espécies revelaram o virus em somente uma espécie comum de morcêgos frugívoros, segundo reportado pela equipe dos Centros dos EE.UU. para Contrôle e Prevenção de Doenças, do Instituto de Pesquisa Médica, em Franceville, Gabão. “EsteS morcêgos "virus-Marburg positivos" representam os primeiros animais identificados não-primatas, infectados”, disseram os pesquisadores.
(INGL.) The study, published in the Public Library of Science journal PLoS ONE, suggests that Marburg may be more common than previously thought. "Furthermore, this is the first report of Marburg virus being present in this area of Africa, thus extending the known range of the virus," the researchers wrote.
(PORT.) O estudo, publicado no periódico PLoS ONE da Biblioteca Pública de Ciência, sugere que Marburg possa ser mais comum do que antes se pensava. “Além disso, este é o primeiro relato do virus Marburg estando presente nesta área da África, portanto estendendo o alcance conhecido do virus”, afirmaram os pesquisadores.
(INGL.) The World Health Organization said last week that Uganda had contained an outbreak of Marburg fever among gold miners there after two men became infected and one died.
(PORT) A Organização Mundial de Saúde disse na semana passada, que em Uganda tinha ocorrido um surto de febre de Marburg entre mineiros, após dois mineiros da mineração do ouro, terem se infectado e um deles ter morrido.
(INGL.) A major outbreak of Marburg occurred among gold miners in the Democratic Republic of Congo between 1998 and 2000, killing 128 of 154 people infected. An outbreak that started in Uige, Angola, in 2004-05 killed 348 people out of 386 cases.
(PORT.) Um surto maior de Marburg ocorreu entre mineiros da mineração do ouro na República Democrática do Congo, entre 1998 e 2000, matando 128 das 154 pessoas infectadas. Um surto que começou em Uige, Angola, em 2004-05, matou 348 pessoas entre 386 casos.
(INGL.) There is no vaccine or specific treatment for either disease, which cause a severe headache and fever followed by rapid debilitation. Death can follow within eight to nine days. The study suggests that controlling these bats may help reduce the threat.
(PORT.) Não há vacina nem tratamento específico para qualquer dessas doenças [Marburg e Ebola], que causam uma dor de cabeça violenta e febre, seguido de rápida debilitação. Morte pode vir em seguida, dentre de oito ou nove dias. O estudo sugere que controlando-se estes morcêgos poderá ajudar a reduzir essa ameaça.

22 de ago de 2007

GEOENGENHARIA: REDUÇÃO DO AQUECIMENTO GLOBAL (SOLUÇÃO OU PROBLEMA)

'Sunshade' for global warming could cause drought [BILINGÜE]
“Sombra do sol” para aquecimento global pode causar sêca
[NewScientist, 2 de agosto de 2007]

(INGLÊS) Pumping sulphur particles into the atmosphere to mimic the cooling effect of a large volcanic eruption has been proposed as a last-ditch solution to combating climate change – but doing so would cause problems of its own, including potentially catastrophic drought, say researchers.
(PORTUGUÊS) Bombear partículas de enxofre para a atmosfera para imitar o efeito de resfriamento de uma grande erupção vulcânica tem sido proposto como último recurso para combater a mudança climática — mas assim fazendo-se, causaria problemas em si, incluindo uma potencialmente catastrófica sêca, dizem os pesquisadores.
(INGL.) Sulphur "sunshades" are just one example of a "geo-engineering" solution to climate change. Such solutions involve artificially modifying our climate to counteract the effects of human greenhouse gas emission. Other examples include space mirrors and iron fertilisation of the ocean.
(PORT.) “Sombras do sol” de enxofre são apenas um exemplo de uma solução de “geoengenharia” para contrabalançar os efeitos da emissão do gás estufa pelos seres humanos. Outros exemplos incluem espelhos solares e fertilização dos oceanos com ferro.
(INGL.) However, a study, led by Ken Caldeira of the Carnegie Institution of Washington in the US, warned that failing to correctly deploy or maintain such a scheme would result in sudden warming – which would be worse than the long-term warming that had been avoided because of its swiftness.
(PORT.) No entanto, um estudo liderado por Ken Caldeira, do Carnegie Institution of Washington, nos EE.UU., advertem que uma falha para corrigir efetivamente ou manter-se tal esquema, resultaria em aquecimento repentino — que seria pior do que o aquecimento de longo-termo que tinha se evitado, por causa de sua rapidez.
(INGL.) Cooling cloud
(PORT.) Nuvem de resfriamento
(INGL.) Sulphur sunshades are inspired by the cooling effects of large volcanic eruptions, which blast sulphate particles into the stratosphere. The particles reflect part of the Sun's radiation back into space, reducing the amount of heat that reaches the Earth. In 1991, the eruption of Mount Pinatubo in the Philippines cooled Earth by a few tenths of a degree for several years.
(PORT.) Sombras do sol, de enxofre, inspiram-se nos efeitos de resfriamento de grandes erupções vulcânicas que lançam partículas de sulfato na estratosfera. As partículas refletem parte da radiação solar de volta ao espaço, reduzindo a quantidade de calor que atinge a Terra. Em 1991 a erupção do Monte Pinatubo nas Filipinas, resfriou a Terra por uns poucos décimos de grau por vários anos.
(INGL.) To study the effects that sulphur sunshades might have on rainfall, Trenberth and Dai [National Center for Atmospheric Research in Colorado, US] looked at trends in precipitation and continental run-off from 1950 to 2004 to try to detect the impact of the eruptions of Mount Agung in Indonesia 1963, El Chichón in Mexico in 1982, and Pinatubo in 1991. After this, a marked decrease in rainfall and run-off in the year after the Pinatubo eruption was clear.
(PORT.) Para estudar os efeitos que as sombras de sol de enxofre poderiam exercer sobre a chuva, Trenberth and Daí [National Center for Atmospheric Research, EE.UU.] observaram as tendências na precipitação e escorrimento de água continental, de 1950 a 2004, para tentar detectar o impacto das erupção do Monte Agung na Indonésia em 1963, do El Chichón no México em 1982 e o Pinatubo em 1991. Após isso, um decréscimo marcante foi observado na chuva e água de escorrimento, no ano após a erupção do Pinatubo.
(INGL.) Dai and Trenberth say their results suggest that artificially putting large amounts of sulphate particles into the atmosphere in order to decrease solar radiation could have catastrophic effects on the planet's water cycle. "Creating a risk of widespread drought and reduced freshwater resources does not seem like an appropriate fix," they say.
(PORT.) Dai e Trenberth dizem que seus resultados sugerem que colocar artificialmente grandes quantidades de partículas de sulfato na atmosfera para reduzir a radiação solar, poderia ter efeitos catastróficos sobre o ciclo da água do planeta. “Criar-se um risco de disseminar sêca e reduzir os recursos hídricos de água doce não parece um conserto apropriado”, afirmam eles.
(INGL.) They note that the negative effects experienced after Pinatubo erupted were harshest in the tropics.
(PORT.) Eles notaram que os efeitos negativos vividos após a erupção do Pinatubo foram mais severos nos trópicos.

2 de ago de 2007

GLOSSÁRIO DE ECOLOGIA E CIÊNCIAS AMBIENTAIS




Está disponível, através do e-mail do autor, www.brenogrisi@yahoo.com.br, a terceira edição em CD/PDF do Glossário de Ecologia e Ciências Ambientais.Veja a seguir, material de divulgação.
Obra
Não há nenhuma pretensão aqui de apresentar uma enciclopédia ou dicionário tecnológico com todos os termos da ecologia; ou como é dito no “The New Fowler’s Modern English Usage” (um clássico da língua inglesa): GLOSSÁRIO, “é uma lista alfabética de palavras difíceis que são usadas num assunto ou texto específico; é usualmente de comprimento modesto; nele é selecionado o que se julga ser obscuro” (num “Vocabulário”, tudo é julgado como obscuro, e um “Dicionário” é um trabalho mais ambicioso”). O objetivo maior da presente publicação, é definir claramente alguns dos termos mais comuns de ecologia e ciências ambientais, quase chegando a ser um “Vocabulário”. São também focalizados termos que, embora de emprego comum em outras ciências (geologia, botânica, oceanografia etc), estão relacionados direta ou indiretamente com as características ambientais do ser vivo, ou melhor dizendo, relacionados com as “ciências ambientais”.

AutorBreno M. Grisi, paraibano de João Pessoa, biólogo (Universidade Federal da Bahia), Mestre em Botânica (Universidade de São Paulo), Ph.D. em Biologia (Universidade de Essex, Inglaterra) e Pós-doutor (Rothamsted Experimental Station, Inglaterra). Foi professor do Instituto de Biologia da UFBA, Pesquisador Adjunto do Centro de Pesquisas do Cacau, da CEPLAC (BA) e Professor Adjunto da UFPB. Nas Instituições onde estudou e trabalhou, teve a oportunidade de realizar pesquisas em ecologia vegetal e de microrganismos de solo em diversos ecossistemas brasileiros, como por exemplo: cerrado, caatinga, floresta amazônica, mata atlântica e tabuleiros, e nos agrossistemas de cacau e cana-de-açúcar. Sua tese de Ph.D. versou sobre biomassa de microrganismos de solo de diversos eco e agrossistemas da Inglaterra; e no pós-doutorado comparou solos do Brasil e da Inglaterra com respeito às suas reações à elevação da temperatura (simulando um aumento do aquecimento global). Tem publicações em periódicos científicos no Brasil e no exterior na área de ecologia de ecossistemas terrestres; e livros publicados no Brasil, incluindo a terceira edição deste glossário.