Total de visualizações de página

5 de jun de 2014

MAIS HIDROELÉTRICAS NA AMAZÔNIA

[Reproduzido de www.amazonia.org]


[assista o vídeo da WWF sobre o Parque Nacional Juruena em http://amazonia.org.br/2014/06/hidrel%C3%A9tricas-podem-alagar-parque-nacional-na-amaz%C3%B4nia/ ]


Hidrelétricas podem alagar parque nacional na Amazônia

Tema de campanha do WWF-Brasil, as possíveis obras colocam em risco a biodiversidade e as populações indígenas isoladas do bioma. Decisão será debatida em conselho federal, dia 10 de junho, sem a sociedade civil

O Conselho Nacional de Politica Energética – CNPE se reúne dia 10 de junho em Brasília, quando poderá declarar como de “utilidade pública” parte do Parque Nacional do Juruena, localizado na divisa entre o Mato Grosso e o Amazonas. Com quase 2 milhões de hectares, o Juruena é o quarto maior parque nacional do país. Ele representa 2,5% da área abrangida por unidades de conservação federais na Amazônia Legal e 5,3% das áreas protegidas como parques nacionais na região. O parque faz parte do Programa Arpa (Áreas Protegidas da Amazônia), que financiou parte das ações para sua implementação.

A declaração de utilidade pública (DUP) é o primeiro passo para permitir a redução da área protegida para a construção das usinas hidrelétricas de São Simão Alto e Salto Augusto Baixo. Elas são parte de uma série de sete hidrelétricas que o governo planeja cravar na Bacia do Tapajós, com alto impacto socioambiental.

Para alertar a sociedade sobre essas ameaças ao Parque Nacional do Juruena e à Bacia do Tapajós, o WWF-Brasil lança a campanha SOS Juruena. A iniciativa pede o apoio da sociedade para pressionar o governo e não permitir a construção das hidrelétricas dentro do Parque Nacional do Juruena e assim garantir que esta Unidade de Conservação se mantenha íntegra.

Se construídos, os reservatórios das duas usinas inundarão mais de 40 mil hectares no Parque Nacional do Juruena, no Parque Estadual Igarapés do Juruena e nas terras indígenas Escondido e Apiaká do Pontal, no Mato Grosso. No Amazonas, poderão ser atingidas porções do Parque Estadual do Sucunduri, além de terras indígenas.

[Continua...ver no link acima]

Nenhum comentário: