Total de visualizações de página

16 de out de 2012

FOI O MANGANÊS. AGORA É O NIÓBIO. E DEPOIS... ???


[Transcrito de "Conspiração Global" - www.dihitt.com.br ]

(Obs. No Youtube há muitos vídeos esclarecendo mais um absurdo que o povo brasileiro vem aceitando em sua "profunda ignorância silenciosa").

Não é à toa que brasileiros esclarecidos, conscientes de suas responsabilidades sociais, estejam depositando todas suas esperanças no julgamento pelo Supremo Tribunal Federal, dessa quadrilha que ora se instalou no poder.



Leiam com atenção essa curta nota de Conspiração Global:
A cada vez mais no dia-a-dia, o tema é abordado em reportagens nas mídias escrita e televisiva, chegando a já ser alarmante. Como é possível que metade da produção brasileira de nióbio seja subfaturada “oficialmente” e enviada ao exterior, configurando assim o crime de descaminho, com todas as investigações apontando de longa data, para o gabinete presidencial?
Como é possível o fato do Brasil ser o único fornecedor mundial de nióbio (98% das jazidas desse metal estão aqui), [e só 2 por cento no Canadá] sem o qual não se fabricam turbinas, naves espaciais, aviões, mísseis, centrais elétricas e super aços; e seu preço para a venda, além de muito baixo, seja fixado pela Inglaterra, que não tem nióbio algum?
EUA, Europa e Japão são 100% dependentes do nióbio brasileiro. Como é possível em não havendo outro fornecedor, que nos sejam atribuídos apenas 55% dessa produção, e os 45% restantes saíndo extra-oficialmente, não sendo assim computados.
Estamos perdendo cerca de 14 bilhões de dólares anuais, e vendendo o nosso nióbio na mesma proporção como se a Opep vendesse a 1 dólar o barril de petróleo. Mas petróleo existe em outras fontes, e o nióbio só no Brasil; podendo ser uma outra moeda nossa. Não é uma descalabro alarmante?
O publicitário Marcos Valério, na CPI dos Correios, revelou na TV para todo o Brasil, dizendo: “O dinheiro do mensalão não é nada, o grosso do dinheiro vem do contrabando do nióbio”. E ainda: “O ministro José Dirceu estava negociando com bancos, uma mina de nióbio na Amazônia”.

Nenhum comentário: