Total de visualizações de página

3 de nov de 2013

SERRA PELADA E SEUS PROBLEMAS PERMANENTES

A "velha Serra Pelada de sempre"! Produzindo mais problemas sociais do que ouro!!!


Edição do dia 31/10/2013
31/10/2013 21h24 - Atualizado em 31/10/2013 21h24

MP investiga desvio de R$ 50 milhões em 


cooperativa de Serra Pelada

De acordo com as investigações, mais de R$ 50 milhões de reais que deveriam ter sido distribuídos para garimpeiros ficaram nas mãos de ex-dirigentes da cooperativa.

O Ministério Público descobriu irregularidades na cooperativa de garimpeiros de Serra Pelada. De acordo com as investigações, mais de R$ 50 milhões de reais que deveriam ter sido distribuídos para os garimpeiros ficaram nas mãos de ex-dirigentes da cooperativa. O ouro de Serra Pelada para extração manual acabou, mas ainda há reservas subterrâneas.
Com autorização do Governo Federal, a cooperativa de garimpeiros é a única com direito de explorar Serra Pelada.
Há seis anos ela se juntou a uma grande empresa de mineração - a Colossus - para implantar a exploração mecanizada de ouro.
As obras estão em andamento e pelo contrato a Colossus repassa à cooperativa mais de R$ 350 mil por mês como uma espécie de adiantamento pela produção.
Ano que vem, quando a extração começar, os repasses serão bem maiores – 25% de todo o ouro extraído.
O dinheiro deveria ser distribuído entre os 40 mil cooperados. Mas, segundo o Ministério Público não é o que acontece.
As investigações começaram no ano passado, quando os promotores tiveram acesso a um relatório do COAF - o Conselho de Controle de Atividades Financeiras, do Ministério da Fazenda.
Segundo o Ministério Público, o documento revelou que a Colossus mineração fazia os depósitos nas contas pessoais de ex-dirigentes da Coomigasp e também de laranjas. De acordo com o MP, R$ 54 milhões foram desviados da cooperativa.
“Nós percebemos que o dinheiro era canalizado primeiro para a conta de diretores e depois pulverizado para a conta de várias pessoas que não têm nenhuma conexão com a cooperativa: professores primários, camelôs, recebiam valores de R$ 800 a R$ 900 e R$ 1 milhão de reais na sua conta. Além de haver saques na boca do caixa de até RS 2 milhões de reais, o que é indicativo bem claro de lavagem de dinheiro”, explica o promotor Hélio Rubens.
“De tanto que a gente trabalhou pra arrumar alguma coisa na vida, a oferecer a família da gente e até essa data ninguém recebeu nada'', diz José Castro, garimpeiro.
Cinco pessoas foram denunciadas. O então presidente, afastado do cargo. E a cooperativa esta sendo administrada por um interventor nomeado pela Justiça.
Todas as cinco pessoas que o Ministério Público denunciou à Justiça foram afastadas da administração da cooperativa. A empresa Colossus afirma desconhecer a participação de colaboradores em desvios de dinheiro.
E alega que os depósitos nas contas pessoais dos diretores foram determinados pela cooperativa - que, na época do contrato, tinha as contas bloqueadas pela Justiça.

5 comentários:

Beatriz Rasera disse...

nao me ajudou em nada pelo amor de Deus

Beatriz Rasera disse...

afff

Beatriz Rasera disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Beatriz Rasera disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Beatriz Rasera disse...

nao me ajudou em nada pelo amor de Deus