Total de visualizações de página

30 de set de 2014

CÚPULA DO CLIMA, DA ONU: REDUZIR EMISSÃO DE GASES PELA METADE (ATÉ 2020) E A ZERO (ATÉ 2030)

Brasil na Cúpula do Clima: retrocesso e oportunidade perdida

 http://www.oeco.org.br/noticias/28675-brasil-na-cupula-do-clima-retrocesso-e-oportunidade-perdida

"O Brasil não anuncia promessas, mostra resultados", diz Dilma

 http://www.oeco.org.br/noticias/28670-o-brasil-nao-anuncia-promessas-mostra-resultados-diz-dilma


Os dois links acima (www.oeco.org.br), referem-se às discussões e posicionamento dos países participantes do acordo da Cúpula do Clima da Organização das Nações Unidas (ONU), que previa a meta de reduzir o desmatamento pela metade até 2020 e a zero até 2030.
Dois importantes países relacionados a essa temática se omitiram: China (gigantesco emissor de gases do aquecimento global, ultrapassando a emissão de gases pelos países da união europeia), sem o comparecimento do Presidente chinês à reunião e o Brasil (que está entre os cinco maiores responsáveis pela emissão desses gases)  cuja representação recusou-se a assinar tal acordo, justificando não ter sido consultado previamente sobre esse evento. Os organizadores, no entanto, afirmaram ter enviado o convite em junho, mas o governo brasileiro não deu resposta.
No primeiro link, três importantes especialistas opinam sobre a oportunidade perdida do Brasil, em contribuir para amenizar o problema em pauta. Ênfase neste aspecto do "retrocesso e oportunidade perdida" deve-se ao fato de que o Brasil é, simultaneamente, detentor da maior reserva florestal do mundo e maior destruidor desse potencial!!!
No segundo link, destaca-se a incoerência do governo brasileiro, que apresenta supostas reduções de emissão de gases, escondendo dados negativos (aumento de 28% do desmatamento na Amazônia no ano passado). Neste blog há postagens anteriores mostrando algumas incoerências.

Usina termoelétrica Carlos Prestes (Mato Grosso do Sul), um erro da (inexistente) política
de geração de energia:

Nenhum comentário: