Total de visualizações de página

4 de mar de 2008

BIOPRECIPITAÇÃO (PLUVIAL): DESCOBERTA CAUSA MICROBIANA

[BILINGÜE]

INGLÊS: Airborne bacteria may play large role in precipitation.

PORTUGÊS: Bactérias de origem atmosférica podem desempenhar grande papel na precipitação.

INGL.: A Montana State University professor and his colleagues have found evidence suggesting that airborne bacteria are globally distributed in the atmosphere and may play a large role in the cycle of precipitation.

PORT.: Um Professor da Universidade Estadual de Montana [E.U.A.] e seus colegas, descobriram evidência de que bactérias de origem atmosférica, estão amplamente distribuídas na atmosfera e podem desempenhar grande papel no ciclo da precipitação.
INGL.: The research of David Sands, MSU professor of plant sciences and plant pathology, along with his colleagues Christine Foreman, an MSU professor of land resources and environmental sciences, Brent Christner from Louisiana State University and Cindy Morris, will be published in the journal "Science."

PORT.: A pesquisa de David Sands, Professor da MSU, de ciências de botânica e fitopatologia, junto com seus colegas Christine Foreman, Professor de recursos da terra e ciências ambientais, Brent Christner da Universidade Estadual da Louisiana e Cindy Morris, será publicada no periódico "Science".
INGL.: These research findings could potentially supply knowledge that could help reduce drought from Montana to Africa, Sands said.
PORT.: Estas descobertas da pesquisa, podem potencialmente fornecer conhecimento que poderia ajudar a reduzir a seca, de Montana à África, afirmou Sands.
INGL.: Sands, Foreman, Morris, and Christner -- who did post-doctorate work at MSU -- examined precipitation from locations as close as Montana and as far away as Russia to show that the most active ice nuclei are actually biological in origin. Nuclei are the seeds around which ice is formed. Snow and most rain begins with the formation of ice in clouds. Dust and soot can also serve as ice nuclei. But biological ice nuclei are different from dust and soot nuclei because only these biological nuclei can cause freezing at warmer temperatures.
PORT.: Sands, Foreman, Morris, e Christner -- que fez seu trabalho de pós-doutrorado na MSU -- investigaram a precipitação de locais tão perto como Montana e tão distante quanto a Rússia, para mostrar que os núcleos mais ativos [na formação] do gelo, são na verdade de origem biológica. Os núcleos são sementes ao redor das quais o gelo é formado. A neve e a maioria da chuva começa com a formação de gelo nas nuvens. Poeira e fuligem [partículas sólidas provenientes de queima de materiais diversos] também atuam como núcleos de gelo. Mas os núcleos biológicos de gelo são diferentes dos núcleos de poeira e de fuligem, porque somente os núcleos biológicos podem causar congelamento em temperaturas mais quentes.
ING.: Biological precipitation, or the "bio-precipitation" cycle, as Sands calls it, basically is this: bacteria form little groups on the surface of plants. Wind then sweeps the bacteria into the atmosphere, and ice crystals form around them. Water clumps on to the crystals, making them bigger and bigger. The ice crystals turn into rain and fall to the ground. When precipitation occurs, then, the bacteria have the opportunity to make it back down to the ground. If even one bacterium lands on a plant, it can multiply and form groups, thus causing the cycle to repeat itself.
PORT.: Precipitação biológica, ou o ciclo de "bio-precipitação", como Sands a denomina, é basicamente isto: bactérias que formam pequenos grupos na superfície de plantas. O vento varre as bactérias para a atmosfera, e formam-se cristais de gelo ao seu redor. Água acumula-se sobre os cristais tornando-os cada vez maiores. Os cristais de gelo transformam-se em chuva e caem na terra. Quando a precipitação ocorre, então as bactérias têm a oportunidade de retornarem à terra. Se até mesmo uma única bactéria aterrissa sobre a planta, ela poderá multiplicar-se e formar grupos, garantindo a continuidade do ciclo.
INGL.: "I want people to be fascinated by the interconnection of things going on in the environment," Sands said. "It's all interconnected."
PORT.: "Eu quero ver as pessoas fascinadas com a interligação das coisas que acontecem no ambiente", afirmou Sands. "Tudo está interligado".

Nenhum comentário: