Total de visualizações de página

14 de dez de 2012

DESMATAMENTOS NA AMAZÔNIA GERAM MAIS CO2 DO QUE CARROS

[Reproduzido de www.amazonia.org.br]

Desmate da Amazônia gera mais CO2 que total de carros do país, diz Imazon

Pesquisador fez estimativa com dados deste ano, divulgados pelo governo. Mesmo com queda recorde no desmate, emissões preocupam, diz Imazon.
Mesmo com o registro de queda recorde no desmatamento da Amazônia Legal deste ano, os efeitos da destruição da mata persistem, como a emissão de CO2, afirma Paulo Barreto, pesquisador sênior do Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia (Imazon). Em uma estimativa apresentada ao G1, o pesquisador avalia que o desmate entre 2011 e 2012 tenha levado à liberação de 245,3 milhões de toneladas de CO2 no ar, mais que o dobro de todas as emissões do gás por carros e veículos de passeio leves (121,6 milhões de toneladas) no Brasil no mesmo período.
Barreto fez o cálculo com base no monitoramento anual feito pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que indica que de agosto de 2011 a julho de 2012 houve o desmatamento de 4.656 km² de floresta, área equivalente a mais de três vezes o tamanho da cidade de São Paulo. Os dados foram divulgados pelo Ministério do Meio Ambiente no fim de novembro.
O tamanho do desmatamento é 27% menor que o registrado anteriormente, no período entre agosto de 2010 e julho de 2011 (6.418 km²). Foi a menor taxa desde que o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) começou a fazer a medição, em 1988.
Além do Prodes, Barreto levou em conta previsões do Imazon sobre a emissão de CO2 por km² de floresta destruída e dados do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), de outubro de 2012, que apontam a existência de 41,9 milhões de carros e veículos leves no país.
O levantamento foi apresentado no 6º Encontro do Fórum Amazônia Sustentável, realizado na última semana em Belém (PA).
O pesquisador afirma que o cálculo das emissões por veículos desconsiderou que existem carros movidos a álcool e outros combustíveis que não gasolina, o que indica que o valor relativo aos veículos está superestimado. Foram desconsiderados caminhões e motos. “Se você incluir o etanol, a comparação seria ainda pior para o lado do desmatamento”, pondera.
Barreto diz ter feito a conta “considerando, em média, que eles [os veículos] rodam 30 mil km por ano”. Em média, cada veículo emite 2,9 toneladas de CO2 equivalente, levando em conta apenas os movidos a gasolina, de acordo com os cálculos do pesquisador.
Milhões de árvores
Barreto estima ainda que, no período avaliado (de agosto de 2011 a julho de 2012), foram derrubadas 232,8 milhões de árvores na Amazônia – o que equivale a cortar mais de uma árvore por habitante do país.
Além disso, foram afetados pelo desmatamento cerca de 8,3 milhões de aves e 270 mil macacos, segundo Barreto. Para chegar ao número de animais atingidos, o pesquisador disse ter usado previsões que constam em um estudo do Museu Paraense Emílio Goeldi.
Comemorar, mas nem tanto
“Acho que tem que comemorar que o desmatamento caiu 27%, mas o número restante ainda é muito alto”, afirmou o pesquisador. Para ele, a destruição da floresta amazônica não está contida.
Para o pesquisador, é essencial ampliar medidas bem-sucedidas para proteger a floresta amazônica, como “melhorar a eficácia da fiscalização” e “demarcar e vigiar as unidades de conservação e as terras indígenas”. A fiscalização deve agir principalmente “por meio do confisco de bens e equipamentos envolvidos em atividades ilegais”, ponderou Barreto no levantamento.


Segundo o governo federal, a estimativa de 4.656 km² de desmatamento indicada pelo Prodes possui margem de erro de 10%, e os dados finais do levantamento devem ser divulgados no próximo ano.
As informações do Prodes consolidam dados coletados ao longo de um ano por satélites capazes de detectar regiões desmatadas a partir de 6,25 hectares. São computadas apenas áreas onde ocorreu remoção completa da cobertura florestal – característica denominada corte raso.
Desmatamento por estados
Dados do Inpe apontam que, no período avaliado, o Pará foi o estado que mais desmatou a Amazônia. Em um ano, foi responsável por devastar mais de um terço da área desmatada registrada pelo sistema Prodes (1.699 km²).
Mato Grosso foi o segundo estado que mais devastou a floresta (777 km²), seguido de Rondônia (761 km²), Amazonas (646 km²), Acre (308 km²) e Maranhão (267 km²). Completam a lista Roraima (114 km²), Tocantins (53 km²) e Amapá (31 km²).
De acordo com o Ibama, entre agosto de 2011 e julho de 2012 foram registrados 3.456 autos de infração na região da Amazônia Legal.
Por: Rafael Sampaio
Fonte: Globo Amazônia 

Nenhum comentário: