Total de visualizações de página

2 de nov de 2014

DESMATAMENTO, CRESCIMENTO DA AGROINDÚSTRIA E SURTO DE EBOLA: HÁ RELAÇÕES!?

Reproduzido de:

A resposta médica para o surto de Ebola na África Ocidental tem sido monstruosamente inadequada. E assim tem sido o reconhecimento das causas subjacentes - em particular a propagação da agroindústria (dendê), que interrompe a ecologia das florestas e fazendas e prejudica a economia local e governança tradicional, levando a um surto da doença.

A crescente epidemia de vírus Ebola não só realça a tragédia envolvendo as áreas mais afetadas, mas oferece também um comentário sobre a maneira como é conduzida a política ambiental na África Ocidental, que permitiu que esta doença se estabelecesse.

A narrativa reza que o vírus apareceu espontaneamente nas aldeias florestais da Guiné, em dezembro de 2013. Mas isto é discutível, dado que existem provas de anticorpos do vírus Ebola no sangue humano, em Serra Leoa uns cinco anos antes.

Apenas um caso de Ebola tinha sido relatado anteriormente na região, e foi uma linhagem do virus da Costa do Marfim. A linhagem detectada nas amostras de sangue é mais virulenta, é a do Ebola do Zaire; a mesma cepa responsável pela atual epidemia.

Os reais responsáveis pelo surto do Ebola na África ocidental: agroindústria do dendê e pobreza.
A pobreza que impulsiona os aldeões de interferir mais na floresta, onde eles são infectados com o vírus quando caçam e matam animais selvagens, ou através do contato com fluidos corporais de morcegos (dos quais muitos se alimentam)  - isto tem sido visto com Nipah, outro vírus perigoso associado com morcegos.

A probabilidade de infecção dessa maneira é agravada por instalações inadequadas de saúde rural e infraestrutura pobre, nas  aldeias, agravada pela expansão urbana desordenada na periferia das cidades.

O vírus propaga-se, então, em uma onda de medo e pânico, intervenção mal concebida e falhas logísticas - incluindo comida insuficiente ou camas para os gravemente doentes.
[...]

Nenhum comentário: