Total de visualizações de página

5 de jul de 2013

NO BRASIL É ASSIM: UM DEPUTADO RURALISTA QUIS... O RESTO LHE SEGUE!!!

Estrada da soja ameaça patrimônio da humanidade

Projeto de parlamentar ruralista não foi sequer debatido no plenário da Câmara
[Reproduzido do WWF Brasil]

Chamo a atenção dos leitores para o fato de que, ao se cortar uma reserva de mata com uma estrada, cria-se uma grande extensão de bordas de mata (em ambas as margens da estrada) sob o EFEITO DE BORDA. Neste blog já postei informações sobre este processo, de grande importância na problemática da  "fragmentação florestal". Há evidências científicas de que na borda de uma floresta os efeitos das condições do exterior (temperatura mais elevada, ventos, umidade do ar mais baixa, erosão do solo, tendência das árvores das bordas a caírem...)  se estendem até 100 m para dentro da floresta. Insira  "efeito de borda" na "Busca" deste blog e veja um vídeo sobre esse efeito. É fácil concluir que esse projeto do deputado ruralista é prejudicial ao Parque Nacional do Iguaçu, não somente pelo aspecto acima mencionado, mas também porque uma estrada no interior do Parque facilita acesso a possíveis depredadores.ATENÇÃO ELEITORES: Vejam no final a lista dos deputados que votaram a favor dessa aberração.
© Cristian Rizzi / SOS Mata Atlântica
por Aldem Bourscheit

Caminha para o Senado um projeto de lei do deputado Assis do Couto (PT-PR) que põe em risco a integridade do Parque Nacional do Iguaçú, no oeste do Paraná, patrimônio natural da humanidade reconhecido pelas Nações Unidas e segundo parque nacional criado no Brasil, em 1939.

O projeto aposta na criação de uma “estrada parque”, figura não reconhecida na legislação brasileira, em um trecho de quase 18 quilômetros que corta a unidade de conservação.

Sua reabertura atenderia basicamente ao escoamento regional de soja, por um caminho mais curto, e a atividades ilegais que foram desarticuladas pelo fechamento da mesma, há mais de dez anos. Atualmente, a estrada está tomada pela vegetação nativa (foto ao lado).

A “Estrada do Colono” foi aberta com a unidade de conservação já implantada, mas está fechada desde 2003 por ordem da Justiça Federal. Historicamente ela se tornou um canal para problemas ambientais, como caça, desmatamento e tráfico de animais, e também de criminalidade, por sua proximidade com a tríplice fronteira entre Brasil, Argentina e Paraguai.

O projeto do deputado ruralista Assis Couto avançará para o Senado sem discussão no plenário da Câmara porque parlamentares retiraram suas assinaturas (confira lista abaixo) de um recurso apresentado pela deputada Rosane Ferreira (PV-PR), pedindo que a proposta fosse votada em plenária.

Segundo o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), o parque protege toda a bacia do Rio Floriano, um dos afluentes do rio Iguaçu. Verdadeiro tesouro natural pela qualidade da água e quantidade de nascentes em meio a um dos últimos grandes remanescentes de Mata Atlântica com araucárias da Região Sul.

Os mais de 1,5 milhão de visitantes por ano que o parque recebe semeiam benefícios econômicos na região onde ele se insere. E se somarmos seus 185 mil hectares à área do vizinho Parque Nacional Iguazú (Argentina), chegamos a 250 mil hectares protegidos.

Em 2010, o parque nacional brasileiro quase perdeu seu título de patrimônio natural da humanidade, justamente por outra tentativa de reabertura da Estrada do Colono.

“A estrada não tornará o estado do Paraná mais rico ou mais desenvolvido, nem salvará os plantadores de soja. Pelo contrário, levará à perda da integridade de um dos únicos parques nacionais brasileiros reconhecido como patrimônio natural da humanidade”, ressaltou a secretária-geral do WWF-Brasil, Maria Cecília Wey de Brito.


Deputados que permitiram ao Projeto de Lei 7.123/2010 avançar para o Senado sem debate no plenário da Câmara: 


AMAURI TEIXEIRA (PT-BA)
ANTÔNIA LÚCIA (PSC-AC)
BETO ALBUQUERQUE (PSB-RS)
CHICO LOPES (PCdoB-CE)
CLÁUDIO PUTY (PT-PA)
COLBERT MARTINS (PMDB-BA)
DOMINGOS DUTRA (PT-MA)
FABIO TRAD (PMDB-MS)
FERNANDO FERRO (PT-PE)
FERNANDO JORDÃO (PMDB-RJ)
FLÁVIA MORAIS (PDT-GO)
IRACEMA PORTELLA (PP-PI)
ISAIAS SILVESTRE (PSB-MG)
JÔ MORAES (PCdoB-MG)
JOSIAS GOMES (PT-BA)
LEONARDO MONTEIRO (PT-MG)
LUIZ COUTO (PT-PB)
MÁRCIO MACÊDO (PT-SE)
MÁRCIO MARINHO (PRB-BA)
MARINA SANTANNA (PT-GO)
MÁRIO FEITOZA (PMDB-CE)
MISSIONÁRIO JOSÉ OLIMPIO (PP-SP)
NILMAR RUIZ (PEN-TO)
ODAIR CUNHA (PT-MG)
ONOFRE SANTO AGOSTINI (PSD-SC)
OSMAR TERRA (PMDB-RS)
PAES LANDIM (PTB-PI)
PAULO FOLETTO (PSB-ES)
POLICARPO (PT-DF)
RICARDO IZAR (PSD-SP)
ROBERTO SANTIAGO (PSD-SP)
ROMÁRIO (PSB-RJ)
SALVADOR ZIMBALDI (PDT-SP)
SANDES JÚNIOR (PP-GO)
SANDRO MABEL (PMDB-GO)
SEBASTIÃO BALA ROCHA (PDT-AP)
TIRIRICA (PR-SP)
VILALBA (PRB-PE)
WALNEY ROCHA (PTB-RJ)
WALTER IHOSHI (PSD-SP)
WELLINGTON ROBERTO (PR-PB)
WILLIAM DIB (PSDB-SP)
WILSON FILHO (PMDB-PB)
ZEZÉU RIBEIRO (PT-BA)
ARNALDO JARDIM (PPS-SP)

(Fonte: Frente Parlamentar Ambientalista)

Nenhum comentário: